quarta-feira, 19 de março de 2014

O problema com as meninas (e meninos) brancos

Pippa amarrando braceletes da amizade durante sua primeira viagem à República Dominicana em 2009
Por que deixei de ser uma turista voluntária. Por Pippa Biddle. Originalmente postado com a permissão da autora pippabiddle.com . 

Os brancos não são informados de que a cor da sua pele é um problema muito frequentemente. Nós passamos despercebidos através de pontos de verificação da polícia, não atraímos olhares em bairros ricos, e somos geralmente entendidos como predispostos para o sucesso com base em uma característica física (a cor da nossa pele), temos pouco a nos preocupar além de protetor solar e óleo bronzeador.


Depois de seis anos de trabalho e viajando através de um grande número de países onde as pessoas brancas estão em minoria numérica, eu percebi que há lugares onde ser branco não é apenas um obstáculo, mas é negativo - e é na maior parte do mundo em desenvolvimento.

No colégio, eu viajei para a Tanzânia como parte de uma viagem escolar. Havia 14 meninas brancas, uma menina negra que, para sua frustração, foi chamada de branca por quase todos que nós conhecemos, na Tanzânia, e alguns professores acompanhantes. Três mil dólares nos comprou uma semana em um orfanato, meia biblioteca construída, e alguns jogos de futebol do recolhimento, seguido de um safari de uma semana.

A nossa missão no orfanato era construir uma biblioteca. Acontece que nós, um grupo de estudantes de escola privada altamente educadas, éramos tão ruins no trabalho de construção mais básica que, a cada noite, alguns homens tiveram que derrubar os tijolos que tinha colocado com problemas na estrutura e reconstruir de modo que, quando acordávamos na parte da manhã, nós seríamos inconscientes de nosso fracasso. É provável que este tenha sido um ritual diário. Nós misturamos cimento e empilhamos tijolos por seis horas ou mais, e eles desfaziam o nosso trabalho após o pôr do sol, recolocavam os tijolos, e depois agiam como se nada tivesse acontecido para que o ciclo pudesse continuar.

Basicamente, nós falhamos em nosso propósito. Teria sido mais rentável, estimulante para a economia local e eficiente para o orfanato, levar o nosso dinheiro e contratar moradores para fazer o trabalho, mas lá estávamos nós, tentando construir paredes retas, sem um nível.

Naquele mesmo verão, eu comecei a trabalhar na República Dominicana ajudando a organizar um acampamento de verão para crianças soropositivas. Em poucos dias, era óbvio que o meu rudimentar espanhol me pusera tão distante do pessoal local que eu poderia muito bem ter sido uma alienígena. Tente cuidar de crianças que têm uma condição médica séria e não estão dispostos a ouvir em uma linguagem que você mal conseguia falar. Isso não é fácil. Agora, seis anos mais tarde, eu sou muito melhor em espanhol e ainda estou muito envolvida com o campo de programação, captação de recursos e liderança. No entanto, eu parei de dar assistência quando finalmente aceitei que a minha presença não é a dádiva de Deus que as organizações sem fins lucrativos, documentários e programas de serviços me fizeram acreditar que seria.

Veja, o trabalho que estávamos fazendo na República Dominicana e Tanzânia foram bons. O orfanato precisava de uma biblioteca, para que pudessem ser "promovidos" para um nível mais alto como uma escola, e o acampamento na República Dominicana necessitava de financiamento e suprimentos para que pudesse proporcionar às crianças soropositivas programas integrais para a sua saúde física e mental. Não era o trabalho que era ruim. Foi EU estar lá.

Acontece que eu, uma menina branca, sou boa em um monte de coisas. Eu sou boa em levantar dinheiro, em formação de voluntários, em coletar itens, em coordenar programas e em contar histórias. Sou flexível, criativa e capaz de pensar com os pés no chão. No papel eu sou, pela maioria dos padrões, altamente qualificada para a ajuda internacional. Mas eu não deveria ser.

Eu não sou uma professora, uma médica, uma carpinteira, uma cientistaa, uma engenheira, ou qualquer outra profissional que possa fornecer um apoio concreto e soluções de longo prazo para as comunidades nos países em desenvolvimento. Eu sou um menina de 1,63m, branca, que pode transportar sacos de coisas moderadamente pesados, brincar de cavalinho com as crianças, tentar dar uma aula, contar a história de como eu me encontrei (com uma apresenação em powerpoint) para alguns milhares de pessoas e não muito mais.

Alguns poderiam dizer que isso é o suficiente. Que, enquanto eu vou para o país "X" com uma mente aberta e um coração bom eu vou deixar pelo menos uma criança tão elevada e encorajada pela minha curta estadia que eles vão, durante anos, pensar em mim todas as manhãs.

Eu não quero que uma menina em Gana, Sri Lanka ou Indonésia pense em mim quando ela acorda todas as manhãs. Eu não quero que ela me agradeça por sua educação ou assistência médica ou roupas novas. Mesmo que eu esteja fornecendo os fundos para fazer a bola rolar, eu quero que ela pense sobre seu professor, líder comunitário, ou sua mãe. Eu quero que ela tenha um herói que ela pode se relacionar - que se pareça com ela, que seja parte de sua cultura, fale a sua língua, e que ela possa topar no caminho para a escola uma manhã.

Depois da minha primeira viagem para a República Dominicana, prometi a mim mesma que nós, um dia, teríamos uma corrida no acampamento executada por dominicanos. Agora, cerca de sete anos depois, o diretor do acampamento, líderes do programa e todos, e mais um punhado de conselheiros são Dominicanos. A cada ano, trazemos alguns Voluntários do Peace Corps e outros altamente qualificados dos Estados Unidos, que agregam valor ao nosso programa, mas eles não são os únicos responsáveis. Eu acho que finalmente estamos ajudando corretamente, e eu não estou lá.

Antes de se inscrever para uma viagem de voluntários no mundo neste verão, considere se você possui o conjunto de habilidades necessárias para que a viagem seja bem sucedida. Se sim, maravilhoso. Se não, pode ser uma boa ideia reconsiderar a sua viagem. Infelizmente, participar em uma ajuda internacional, onde você não é particularmente útil, não é benigna. É prejudicial. Ele retarda o crescimento positivo e perpetua o complexo de "salvador branco" que, por centenas de anos, tem assombrado os países que estamos tentando "salvar" e a nossa (mais recentemente) própria psique. Seja inteligente sobre a viagem e se esforce para ser informado e culturalmente consciente. É somente através de uma compreensão dos problemas que as comunidades estão enfrentando, e o desenvolvimento contínuo de competências dentro dessa comunidade, que as soluções de longo prazo serão criadas.

Por Pippa Biddle
Versão em Português: Louise Teixeira (Parceira do Blog)

sábado, 1 de março de 2014

Cúpula de Energia começa com uma visita surpresa de Bono

Membro ONE Vivian Onano e Bono. Crédito Foto: Ralph Alswang.
Surpresa!

No pontapé inicial da Cúpula 2014 de Energia da ONE em Washington, D.C., na tarde de 22 de fevereiro, um suspiro coletivo – e aplausos – encheram o ar quando o cofundador de nossa organização, Bono, subiu ao palco para reunir seus soldados.

O momento em que os membros ONE descobriram que nosso convidado surpresa era Bono:

video


A aparição de hoje foi de Bono no primeiro evento anual, que reúne funcionários da ONE e os 200 principais líderes voluntários de todos os EUA, para treinamento de advocacia e uma viagem ao Capitólio para pressionar em torno de nossa campanha contra a pobreza energética.

Os participantes da Cúpula deste ano vieram de 43 estados e incluem estudantes universitários, líderes de fé, blogueiros da ONE Mom, parceiros e nossos líderes distritais do Congresso (CDLs sigla em inglês).

Depois de surpreender o grupo, entrando na sala e perguntando se alguém precisava de um "CDL de Dublin", Bono se sentou para uma entrevista com a membro da ONE, Vivian Onano, uma líder estudantil da Carthage College, que cresceu no Quênia.

Onano perguntou a Bono se a ONE tem atendido suas expectativas ao longo da última década. “Eu nunca esperei que fosse tão legal”, ele brincou e, em seguida, acrescentou: “O que vocês estão fazendo é um grande negócio”.

Durante sua meia hora no palco, Bono falou francamente com o grupo como um companheiro ativista. Com a charmosa (e serena!) Onano, ele discutiu vários destaques das realizações ONE e por que a organização foi fundada na esteira do movimento de redução da dívida que ajudou os governos africanos a colocarem mais de 51 milhões de crianças na escola.


Bono falou sobre os primeiros dias da luta pelo financiamento contra a AIDS, a criação do PEPFAR e o momento “aha!” que teve com o ex-senador dos EUA, Bill Frist, que ressaltou a importância de campanhas de base. No final, “é preciso movimentos sociais para mudar as coisas”, disse Bono.

Bono também falou sobre a importância do trabalho ONE na luta contra a corrupção e pela transparência nos setores de petróleo e mineração, criticando o Instituto Americano do Petróleo por mover ação judicial para bloquear regras pró-transparência, as quais os ativistas ONE fizeram campanha com sucesso e ajudaram a transmitir.
Ele também falou sobre a importância do setor empresarial como um parceiro na luta contra a pobreza e chamou a atenção para a (RED), divisão da ONE, que tem parceria com empresas como a Apple e Starbucks, e gerou mais de 250 milhões de dólares, até o momento, para o Fundo Global de Luta Contra a AIDS na África. “(RED) é a porta de entrada para o ativismo”, disse ele.

Onano também teve a oportunidade de compartilhar algumas de suas experiências com Bono e aqueles voluntários, particularmente, em torno de nossa campanha contra a pobreza energética. Ela falou como era crescer sem eletricidade confiável em sua casa na zona rural do Quênia e os impactos negativos que tiveram na saúde e educação da criança

Por sagacidade habitual de Bono houve algumas grandes tiradas e um pouco de humor autodepreciativo. (“Crescendo na Irlanda, havia certas coisas que você não poderia discutir em uma sociedade civilizada como: sexo, religião e política”, ele riu. “Isso é tudo o que eu queria discutir.”) Ele estava aberto e sincero sobre o seu desejo de expandir o alcance da ONE. Energia e anticorrupção estão na agenda política ONE e, dentro dos próximos 10 anos, ele espera ‘ver mais membros ONE ao sul do equador ao invés do norte.’

Após entrevista à Onano, Bono respondeu perguntas da plateia e eu tive a chance de perguntar a ele como nós, ativistas, podemos continuar a convencer os nossos concidadãos – e os funcionários eleitos – que os avanços feitos contra a pobreza extrema são reais e que o investimento na África é bom para a economia dos EUA e para nossa segurança nacional. Como manteremos a paixão pelo trabalho na equação quando muito da nossa pressão é baseada em resultados orientados por dados? “Não podemos esquecer que as estatísticas são as pessoas”, disse ele.

Como membro ONE que participou como voluntária da organização desde o começo, estou satisfeita por Bono ter tempo para se juntar a nós na Cúpula de Energia. Sabemos que ele conhece a África, sabemos que ele sabe dos números, sabemos que ele é influente, sabemos que ele é legítimo. E ele sabe que nós também somos. Obrigada, Bono!

Por Kristi Wooten
Versão em Português: Mônica Brito