sábado, 1 de março de 2014

Cúpula de Energia começa com uma visita surpresa de Bono

Membro ONE Vivian Onano e Bono. Crédito Foto: Ralph Alswang.
Surpresa!

No pontapé inicial da Cúpula 2014 de Energia da ONE em Washington, D.C., na tarde de 22 de fevereiro, um suspiro coletivo – e aplausos – encheram o ar quando o cofundador de nossa organização, Bono, subiu ao palco para reunir seus soldados.

O momento em que os membros ONE descobriram que nosso convidado surpresa era Bono:

video


A aparição de hoje foi de Bono no primeiro evento anual, que reúne funcionários da ONE e os 200 principais líderes voluntários de todos os EUA, para treinamento de advocacia e uma viagem ao Capitólio para pressionar em torno de nossa campanha contra a pobreza energética.

Os participantes da Cúpula deste ano vieram de 43 estados e incluem estudantes universitários, líderes de fé, blogueiros da ONE Mom, parceiros e nossos líderes distritais do Congresso (CDLs sigla em inglês).

Depois de surpreender o grupo, entrando na sala e perguntando se alguém precisava de um "CDL de Dublin", Bono se sentou para uma entrevista com a membro da ONE, Vivian Onano, uma líder estudantil da Carthage College, que cresceu no Quênia.

Onano perguntou a Bono se a ONE tem atendido suas expectativas ao longo da última década. “Eu nunca esperei que fosse tão legal”, ele brincou e, em seguida, acrescentou: “O que vocês estão fazendo é um grande negócio”.

Durante sua meia hora no palco, Bono falou francamente com o grupo como um companheiro ativista. Com a charmosa (e serena!) Onano, ele discutiu vários destaques das realizações ONE e por que a organização foi fundada na esteira do movimento de redução da dívida que ajudou os governos africanos a colocarem mais de 51 milhões de crianças na escola.


Bono falou sobre os primeiros dias da luta pelo financiamento contra a AIDS, a criação do PEPFAR e o momento “aha!” que teve com o ex-senador dos EUA, Bill Frist, que ressaltou a importância de campanhas de base. No final, “é preciso movimentos sociais para mudar as coisas”, disse Bono.

Bono também falou sobre a importância do trabalho ONE na luta contra a corrupção e pela transparência nos setores de petróleo e mineração, criticando o Instituto Americano do Petróleo por mover ação judicial para bloquear regras pró-transparência, as quais os ativistas ONE fizeram campanha com sucesso e ajudaram a transmitir.
Ele também falou sobre a importância do setor empresarial como um parceiro na luta contra a pobreza e chamou a atenção para a (RED), divisão da ONE, que tem parceria com empresas como a Apple e Starbucks, e gerou mais de 250 milhões de dólares, até o momento, para o Fundo Global de Luta Contra a AIDS na África. “(RED) é a porta de entrada para o ativismo”, disse ele.

Onano também teve a oportunidade de compartilhar algumas de suas experiências com Bono e aqueles voluntários, particularmente, em torno de nossa campanha contra a pobreza energética. Ela falou como era crescer sem eletricidade confiável em sua casa na zona rural do Quênia e os impactos negativos que tiveram na saúde e educação da criança

Por sagacidade habitual de Bono houve algumas grandes tiradas e um pouco de humor autodepreciativo. (“Crescendo na Irlanda, havia certas coisas que você não poderia discutir em uma sociedade civilizada como: sexo, religião e política”, ele riu. “Isso é tudo o que eu queria discutir.”) Ele estava aberto e sincero sobre o seu desejo de expandir o alcance da ONE. Energia e anticorrupção estão na agenda política ONE e, dentro dos próximos 10 anos, ele espera ‘ver mais membros ONE ao sul do equador ao invés do norte.’

Após entrevista à Onano, Bono respondeu perguntas da plateia e eu tive a chance de perguntar a ele como nós, ativistas, podemos continuar a convencer os nossos concidadãos – e os funcionários eleitos – que os avanços feitos contra a pobreza extrema são reais e que o investimento na África é bom para a economia dos EUA e para nossa segurança nacional. Como manteremos a paixão pelo trabalho na equação quando muito da nossa pressão é baseada em resultados orientados por dados? “Não podemos esquecer que as estatísticas são as pessoas”, disse ele.

Como membro ONE que participou como voluntária da organização desde o começo, estou satisfeita por Bono ter tempo para se juntar a nós na Cúpula de Energia. Sabemos que ele conhece a África, sabemos que ele sabe dos números, sabemos que ele é influente, sabemos que ele é legítimo. E ele sabe que nós também somos. Obrigada, Bono!

Por Kristi Wooten
Versão em Português: Mônica Brito

Nenhum comentário:

Postar um comentário